AGENTE DA POLÍCIA ACUSADO DE DISPARAR PARA MATAR

Um agente da Polícia Nacional em Luanda está a ser acusado de efectuar três disparos de arma de fogo contra Augusto Guimarães Dias, de 24 anos, no dia 1 de Julho, em Cacuaco.

O facto ocorreu no bairro Iba. A vítima foi submetida à uma cirurgia e encontra-se sob cuidados médicos no Hospital Américo Boavida. Segundo o corpo clínico do hospital, o estado do jovem é grave. As perfurações no abdómen vão obrigá-lo a permanecer internado para observação cuidada e tratamento.

Augusto Guimarães Dias foi interpelado, às duas horas de madrugada, por quatro agentes da Polícia Nacional
da 13ª Esquadra, em Cacuaco, que o revistaram de modo que considerou inadequando, porquanto um dos agentes
2 tocou-lhe nos testículos”, conta João Mendes, organizador da referida festa.

Ainda de acordo com a testemunha, “ o agente sentiu-se rebaixado e esbofeteia o lesado, pegando-lhe no colarinho. O Augusto fugiu e o agente fez três tiros contra ele. Foi mesmo com a intenção de matar…”, disse João Mendes.

Outra testemunha Nzusi Pedro disse que “os agentes estavam sob efeito de álcool. Quando viram que o Augusto
foi atingido arrastaram-lhe para um lugar com pouca visibilidade. Quando as pessoas começaram a gritar por socorro, eles fugiram”, contou. Nzusi Pedro adiantou que antes de irem para o hospital, participaram o ocorrido na 13ª Esquadra de Cacuaco.

“O comandante nos orientou a levar o jovem ao hospital.”

De acordo com informações colhidas no bairro, esta não foi a primeira vez que o mesmo agente dispara a queima-roupa.

Augusto Guimarães Dias internado no Hospital Americo Boavida, disse que até agora não consegue entender porque motivo o agente da Polícia agiu daquela maneira, uma vez que como autoridade deve velar para a protecção da população e o bem-estar da ordem pública.

Deitado na cama o jovem que por recomendações médicas só pode se alimentar de líquidos, informou que espera que a justiça seja feita de forma que outros agentes possam prestar um serviço com zelo e mas prudência.

“Tenho certeza que com ajuda de Deus e dos médicos vou sair daqui bem, mas terei mas atenção no que diz respeito em andar a noite, uma fez que estes novos agentes que entraram na Polícia não são de confiança”, afirmou Augusto Guimarães Dias.

O porta-voz do Comando Provincial da Polícia Nacional, inspector-chefe Lázaro da Conceição, disse que um processo já foi instaurado para averiguar os motivos que levaram o agente de patrulhamento a dispar contra o cidadão. E adiantou que no final das investigações serão tomadas as devidas medidas de acordo as investigações.

“Mas salientou que o aumento da criminalidade no bairro Augusto Ngangula é considerado crítico, mas os agentes são obrigados a agir de acordo com a lei”, destacou o porta-voz.

Fonte: Jornal Luanda

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.